fevereiro 09, 2008

Fuga

Não fujas, gato,
não te assustes
que esta forma de cão
com que me vês
é só um estratagema
um entremez
a esconder a minha mansidão.

Repara, gato,
nos meus olhos
aguados da lembrança
do sítio onde nasci.
De lá fugi
por medo do cajado
do pastor desesperado
quando fugiu a ovelha
que logo se encontrou
com a boca do lobo
que da fome fugia.

Não fujas, gato,
que vás para onde fores
sempre te encontrarás
por dentro desse gato
com medo do teu medo.

E nem o cão pastor
nem a ovelhinha ruça
nem o lobo esfaimado
servirão de desculpa
para o pelo eriçado
para o rabo arqueado.

Sentirás quando muito
um pequenino orgulho
se um ratito atrevido
com medo do teu medo
fugir de ti, ó gato.



amiga idun,

disse-me a minha humana que estes versos podiam ter sido escritos pelo
lost que esconde um poeta naqueles olhos doces como o mel.
dá-lhe uma sapatada ternurenta por mim.

autora do poema e do texto em prosa: OIN

3 comentários:

AllenGirll disse...

Adorei o poema... :)

Lindo!:)


Bjinhs*

Chat Gris disse...

Como sempre um prazer passear por este jardim!
Bom fim de semana.
Lambidinhas cá do rapaz...

Justine disse...

Delicioso o texto, magestosa e bela Vocência, Idun.
Obrigada pela visita ao Quarteto, o Mounty também agradece e diz que tu és uma "gata", eu virei fazer-te uma festinha de vez em quando:)

Arquivo de jardinagem