fevereiro 21, 2012

















à porta do mercado, aos domingos, o sr. filipe, um homem já bastante idoso mas possuidor de uma vivacidade invejável, monta uma pequena banca com produtos cultivados nas suas hortas. sou freguesa habitual, desde um dia de verão em que lhe comprei, a muito bom preço, alguns legumes e, sem nada pagar por isso, dele recebi bons conselhos, relativos a jardinagem e horticultura.
conto ao sr. filipe as minhas pequenas vitórias, nestas duas áreas, e algumas derrotas, também, realçando ele sempre as primeiras e minimizando as segundas, brindando-me ainda com umas frases animadoras.
anteontem, para além dos habituais legumes, comprei-lhe os limões que restavam na banca. ao fazer a conta, diz-me ele: os limões são de graça! recusei a oferta e, como ele não quisesse atribuir-lhes um valor, disse-lhe que não os traria comigo, caso ele não aceitasse, por eles, um euro.

um euro pelos limões, é muito! - protestava o sr filipe. - nesta altura, os limoeiros estão cheios deles!

então, eu disse-lhe que o euro que eu lhe tinha dado era uma pequena ajuda para a água que ele gastara a regar o limoeiro, bem como para o que gasta em combustível para transportar os produtos para o local onde os comercializa. ele ficou a pensar, por uns momentos, depois o rosto abriu-se num grande sorriso. agarrando num molho de hortelã, meteu-mo nas mãos: ah! mas por isto é que não me vai pagar mesmo nada! e faça de conta que é um raminho de flores que eu lhe ofereço...

4 comentários:

Milene disse...

Olá Humana, tão bom encontrar pessoas assim, tão gentis. Me parece uma graça de pessoa esse Sr. Filipe.
Me lembrou um senhor que vende legumes e frutas em meu bairro. Ele estaciona sua kombi na esquina aqui de casa para vender suas hortaliças. No bairro todos o chamam de Jovem, pois é assim que ele cumprimenta à todos que passam por ele, clientes ou não, sempre esbanjando bom humor.
Com esses dias de calor ele não tem aparecido e nos dias de inverno rigoroso ele também se ausenta. Todos já estão tão habituados com sua presença que, nesses dias de ausência, sente-se sua falta.

Bjos e boa semana

Silvia disse...

que história fofa : )
estas amizades são deliciosas, não tem preço. muito melhor que flores :D
um lindo ano para o pequeno jardim!!!

Graça Sampaio disse...

Pessoas (ou deverei dizer "humanos"?) de uma enorme grandeza de alma e de uma simplicidade que já não se cultiva - ao contrário dos limões....

beijinhos e ronrons...

Justine disse...

Que delícia de senhor! É gente como essa que nos reconcilia com o mundo! Apetece conhecê-lo...
E tu retrataste-o muitíssimo bem!
Um abracinho amigo

Arquivo de jardinagem