outubro 17, 2010

tu és música diziam e julgavam amar-me
mas eu sempre tão longe
a ronronar num sonho de janelas impossíveis

hoje
se música flui em algum dos meus gestos
mais serenos
é porque a memória de um raio de sol
invadiu de surpresa
a minha felina mente

Humana



o peixe prateado   .
aviso: contém passagens eventualmente chocantes

brida, a jovem gata, tinha um sonho recorrente: dentro de um aquário nadava, com ar triste, um maravilhoso peixe prateado. sucedia que esse peixe era um felino príncipe, vítima de poderoso encantamento; o trabalho tinha sido encomendado e pago antecipadamente, em suaves prestações mensais, a um certo Professor Arre Pio, por uma ex-amante do príncipe, melindrosa e vingativa que, abandonada por ele, lhe não perdoou o ultraje.
sucedia ainda que, por obra do amor – o amor de brida por ele, naturalmente – o peixe voltava, sonho após sonho, à sua forma de gato. apaixonado e reconhecido, presenteava a sua princesa com coleiras carregadas de pedras preciosas, tratamentos de beleza nos spa's mais em moda, incontáveis viagens por jardins exóticos que, iluminados por centenas de velas aromáticas, eram palcos perfeitos para o seu idílio.

um belo dia, depois de acordar e de se espreguiçar voluptuosamente, brida dirigiu-se para a cozinha,disposta a trincar alguma comida seca que, habitualmente, lhe deixavam, num recipiente colocado no chão, junto ao frigorífico. nisto, vindo do lava-louça, um barulho intrigante. não resistiu a dar uma espreitadela e qual não foi o seu espanto quando, de dentro de um saco plástico cheio de água, um peixe prateado lhe dirige estas palavras:

acabei de chegar, vindo dos teus sonhos, ó formosa! aqui me tens, esperando, impaciente, que um beijo teu me faça sair desta prisão!

brida, de um salto, rasgou o plástico, abocanhou o peixe e devorou-o num ápice.
regressou, pouco depois, à sua almofada, tomada de azia e forte indisposição.antes de adormecer, ainda cuspiu, repugnada, algumas escamas e até uma barbatana que atirou para longe, num gesto  ágil e elegante. rezou, depois, ao Senhor Dos Gatos, pedindo-lhe que, dessa altura em diante, a fizesse sonhar com vulgares aventuras em becos à luz da lua; e a ter de haver, forçosamente, um peixe,  pudesse ele ser transparente mas sobretudo amável, saboroso, redondinho e, caso o seu sonho se voltasse a concretizar, não viesse a causar-lhe, como o  peixe prateado, digestões difíceis ou amargos de boca.

 idun (texto e foto)

7 comentários:

Justine disse...

Idun, foste um pouco longe demais com esse teu conto: onde se viu a Brida a ser tão voraz a ponto de comer o seu amor????
(por outro lado, o poema da Humana é de uma enorme musicalidade e compreensão por vocês...)
Uma festinha:))

Idun, a felina disse...

muito obrigada, querida justine! na verdade, até é um texto demasiado realista...lembrei-me, depois de ler o teu comentário, de pôr um aviso logo depois do título.

marradinhas afectuosas

MagyMay disse...

Poema que soa a música nos meus ouvidos...

Ó Idun, será que a Brida não sabia mesmo que o peixe prateado era o "seu gato"?

Cócegas na barriga

triliti star disse...

achei esta brida muito insensível, uma insensibilidade tal que não sei se haverá humanas que se lhe possam comparar.
por outro lado, sonhos não passam de sonhos e, por muito belos que sejam, há que ser prático e viver a realidade do dia a dia.

Rosa dos Ventos disse...

A Brida foi atacada por um amor devorador!
Esses amores são realmente indigestos... :-))
O poema da Humana é lindo!
Vamos ter então uma parceria "à séria"? :-))

Ronrons e abraços

carol disse...

Adoro gatos e tudo o que lhes diga respeito! Adorei vir aqui espreitar! E a fotografia - além da prosa, naturalmente! - é um doce!
Os meus "miaus" para ambas as felinas....

Silvia disse...

Que gatinha mais prática! kkkkk
que sonho que nada, melhor um peixinho na barriga! ;)
Obrigada pela presença e carinho em 2010, e que 2011 seja um ano lindo para você e se jardim!

Muitas alegrias, conquistas, amor, tudo de bom!!!!
Bjocas da família Gatofru!!!

Arquivo de jardinagem