dezembro 30, 2008

do coração aos saltos

artur era o nome de um par de sapatos: grandes, pesados, grosseirões e mal prontos, nº44.
o homem que os calçava era parecido com eles e a mulher com quem vivia também usava sapatos, como toda a gente: chamavam-se leocádia.
todas as noites, quando iam descansar para debaixo da cama do casal, leocádia tinha de ouvir, até altas horas da madrugada, as queixas do artur; entre dois arrotos, dizia mal de tudo: era a chuva que o amolecia, os apertos no "metro" que lhe rebentavam as costuras, o mau estado do pavimento que lhe dava cabo da pele, os cães vadios que o obrigavam a estragar as biqueiras...
ela ficava calada, a sentir, ainda, as pisadelas que levara no supermercado, o martírio da baixa lisboeta, em época natalícia, o detestável cheiro da graxa que, tantas vezes, tinha de suportar, ou como ficara, naquele dia, arrasada, o coração aos saltos, a correr atrás do miúdo que se lembrou, sem mais nem porquê, de fugir, desafiando o trânsito da avenida da liberdade.
olhava-se discretamente no espelho: que bonita que era, a pele limpa e macia, apesar do cansaço, o decote discreto, a querer esconder um peito-do-pé palpitante! era então que entristecia e alimentava um secreto, muito secreto desejo.



aconteceu, na manhã de 25 de dezembro. leocádia acorda, estremunhada, com o barulho dos chinelos correndo alegres pela casa, e pensa que continua, ainda, a sonhar: um atacador estranho envolve-a num abraço e o par de sapatos correspondente, nº 39, parece mesmo feito "à sua medida"; também, como ela, conheceu longas estradas, belos passeios, conforto e desconforto de alguns lares. no entanto, tem um encanto tão especial quando, de sorriso aberto, lhe diz:
"bom dia!"...
ela quer responder mas, entre a comoção e a surpresa, só consegue fazer bocas.
e, a partir de agora, se a virem por aí, experimentem dizer-lhe que já não acreditam no menino jesus!


este "conto de natal" pertence a uma série de textos de ficção, escritos pela Humana, e que foram publicados, há já uns bons anos, no caderno "ler escrever" do extinto "diário de lisboa". à isabel paiva couberam as ilustrações, e a Humana relembra essa gratificante parceria, que teve tantos momentos de riso e cumplicidade.

votos de um excelente ano 2009, com boas surpresas para todos.

12 comentários:

caniche vagabundo disse...

Que lindo conto! Um bom ano também!

Luzinha disse...

coisa mais meiga essa história... que linda!

esse pequeno jardim com gatos poéticos é tudo de bom!

bjus prá vocês!

Silvia disse...

Idum, adorei a história!!!
Gostou do primo Fiapo então? kkkk
Desejo a vocês do jardim um lindo ano, novinho, e cheio de alegrias e muita criatividade!!!
Bjocas!!!

milene widholzer disse...

Adorei o conto, lindo!! Que 2009 seja um ano espetacular pra todos do jardim!! Mina manda muitos lambeijinhos pra todos!

legivel disse...

... depois eu é que arranjo histórias com personagens estranhos...

... e esta já vem de longe.

Quero ver como é que o "perdido" descalça aquela bota que lá deixaste no "fantasias". Embora ele não me pareça ser homem para se atrapalhar.

Para o ano a gente continua a rir-se...

Rosa dos Ventos disse...

Uma ternurinha!
Ronrons e marradinhas...
Feliz ano, que ele nos surpreenda pela positiva!

Arabica disse...

Bem me parecia que aqui havia gato :)


Belo conto de Natal, HumaNA! :))


Para todos vós, felinos e humanos, um abraço gatinhoso de BOM ANO NOVO :))


E que venham mais...contos :))

Claudinha disse...

Idun e gatinhos do jardim...um ótimo 2009 pra vcs!
beijos
Cláudia e Ticos

Japa Girl disse...

Muito bonita a história.
Um ótimo 2009 a vocês!
Bjo!

amigona avó e a neta princesa disse...

Também eu gosto muito de gatos! Bom ano...

Justine disse...

Idun, que conto delicioso escreveu a tua humana!! Adorei:))
Um excelente ano para todos aí em casa!

legivel disse...

... quer dizer que as festividades continuam... que assim que entrei os meus olhos foram logo direitinhos para a mesa bem preenchida de bolo-rei, doce-de-princesa, aguardente-de-cana-rachada-presidencial, tarte de ministros amargos, enfim, iguarias sem igual deste nosso portugal. E a gataria a bater as palmas das patas e o cão lost perdido de riso porque lhe tinha calhado a fava no... arroz-doce. Retiro-me, não vão pensar que me fiz de convidado.

bom ano humana!

Arquivo de jardinagem