fevereiro 16, 2010

ouvi dizer que hoje é carnaval e tenho estado atenta, a ver quando é que a Humana, que saiu há pouco, nos bate à porta, vestida, tal qual a deusa diana,  com uma túnica leve e  esvoaçante  e acompanhada pelo cão lost, ornamentado com umas enormes hastes, representando o curioso caçador acteão, que a deusa transformou em veado.
infelizmente, eles acabaram de chegar e eram os mesmos que daqui saíram, ou seja: a Humana e o cão lost, este último a abanar a cauda, a Humana a dizer mal do frio e da chuva e de não sei que mais e, quando lhe perguntámos de que é que ela se ia mascarar, ela respondeu-nos que, com o péssimo humor com que hoje se encontrava, o mais certo era personificar o sweeney todd, o terrível barbeiro de elm street, e esperar as visitas com o seu estojo de navalhas bem afiadas.

fiz um sinal discreto à brunildinha, para nos retirarmos, antes que a coisa azedasse e, à falta de melhor forma de passar o tempo, entretivemo-nos a ver algumas fotos que a Humana guarda no seu arquivo "passeios".













brunilde - ó idun, o que é isto? será que a Humana fotografou um ovo estrelado e um pão, que levou para um passeio?
idun (risos) - não, brunildinha. é uma foto de uma pedra. a Humana diz que são raras e que, no dizer do povo, são "pedras que geram pedras". há aqui mais fotos, queres ver?
cá estão os nódulos, revestidos por mica: 














idun - e aqui,













podemos ver o nódulo que se irá soltar da pedra-mãe. por isso, em linguagem popular, estas são conhecidas como pedras parideiras.

brunilde - micas? pedras parideiras? mas que interessante! que palavras e que imagens inspiradoras! ó artur, vai buscar o meu bloco-notas, que eu preciso de escrever.
ora, então, cá está uma linda história para eu contar aos visitantes deste jardim:

há muito tempo, lá para os lados da serra da freita, vivia uma bela moçoila , robusta e de boas cores.
chamava-se maria do patrocínio mas todos a tratavam por micas, diminutivo que ela achava simpático e bem adequado ao seu jeito vivo e folgazão.
micas não parava quieta, era vê-la a trabalhar no campo e a dançar nos arraiais, mesmo em casa  era um andar para cá e para lá, dizia ela que tinha qualquer coisa que a não deixava sossegar, um redemoinho, uns calores, uns frenicoques que só lhe passavam castigando o corpo no excesso de trabalho e de dança.
tia remédios, a velha bruxa da aldeia, bem tentou, através de mezinhas  e rezas obscuras, livrá-la do malino que a habitava e lhe provocava tais efeitos. tudo em vão: micas continuava mais mexida que um vira minhoto. e foi precisamente nas voltas de um vira que encontrou sossego temporário: o jofre jeitoso, recém-chegado de orbacém, um lugarejo do concelho de caminha, prometeu um dia ensinar-lhe essa modinha lá da sua terra e para tal arrastou-a para um pé-de-dança só para dois, sob o olhar desinteressado de um velho sobreiro, no entardecer da serra.

ó vira que vira ó vira ó ai
as voltas do vira são boas de dar

em todas as casas, já a luz das candeias se apagara, quando ambos regressaram à aldeia, a micas tomada de uma paz que até ali desconhecera, o jofre caído de amores e a fazer contas à vida pois, se decidido não estivesse a casar com ela, a tal seria obrigado pelos costumes da época.
depois do casório, foi um não mais acabar de trabalho duro e  filharada,  até que a morte, por complicações ocorridas em gravidez na pré-menopausa, roubou à micas as cores, a alegria e o folguedo.

7 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

Este verão também me embrenhei na serra da Freita para ver as tais pedras parideiras só que as fotos da Humana estão bem melhores...
Não me admira o mau humor da Humana!
O meu ainda não passou...
Estou farta de chuva! :-((

Abraço e ronrons

Justine disse...

Estas pedras parideiras, é o que dá!Isso e a tua imaginação prodigiosa...
Nada melhor para afastar este spleen invernoso e carnavalesco!

Hamanndah disse...

Querida Humana
Desculpe fazer um comentario triste, mas preciso de um conselho seu:

Levei para um veterinario muito experiente um gato com uma pata ferida para ele o tratar e eu o levar de volta para onde ele estava e é cuidado por humanos, mas, depois de algumas semanas, o veterinario disse que será preciso amputar a patinha dele, que está por demais comprometida

Tenho receio de ofender o medico pedindo uma segunda opinião, pois, inclusive, a pata do gato esta realmente muito dificil de ser cicatrizada e com complicação, mas , ao mesmo tempo, sinto culpada por não pedir uma segunda opinião, mas, se eu fizer isso, estarei ofendendo muito a esse velho veterinário conhecido meu, de muito tempo.

O que faço?
Aguardo respostas de todos
Bjs, Hamanndah

Hamanndah disse...

Querida Humana
Muito obrigada pelo apoio.
A outra veterinária que examinou o gato, em outra clinica, disse que a pata do gato não precisará ser amputada, então, felizmente, o gato vai fazer uma cirurgia, vai passar por um longo tratamento na minha casa ou em outro lugar, mas não será mais necessária a amputação. Obrigada por ter me respondido e visitado meu blog
Hamanndah

Hamanndah disse...

Querida Humana,
o Alef, o gato que quase perdeu a pata, está bem depois de operado, está imobilizado e assim ficará por 3 ou 4 semanas. Vou levar para minha casa no sabado.

Humana, não leve a mal, mas eu tive que deletar seu comentario no meu blog porque meus parentes acessam meu blog e não quero que algumas pessoas saibam sobre Alef,por enquanto.

Se quiser comentar sobre outros assuntos no meu blog, ou sobre os textos, fique a vontade.

Um abraço
Hamanndah

legivel disse...

Idun,

Lamentavelmente apenas acesso(?!) a tão felino sítio, já o Carnaval vai longe embora as mascaradas neste país taciturno, continuem em bom ritmo, dizem que, para levantar o moral das hostes...
Não prognosticava a Humana (pesasse embora o mau-humor por via temporal) caracterizada de Sweeney Todd, de navalhas em punho, pronta a fazer a barba a um desprotegido e desgraçado metereologista que não tem culpa do tempo que faz...
As micas e a Micas estão bem uma para as outras: das ciências naturais e da vida tal como ela é. Diverti-me à bessa. Essa é que é essa!

Festas, abraços e sorrisos.

arabica disse...

Nunca eu tinha visto tais pedras,
nem ouvido falar, mas que são interessantes são! Eu que as colecciono de passeios e viagens, não me importava nada de ter uma assim...não tens nenhuma para a troca, Idun? :))

Beijinhos à Humana e destinhas à bicharada!

Arquivo de jardinagem